logo

Energias Renováveis. Um dos grandes potenciais do Nordeste para os próximos 15 anos.

Energias Renováveis. Um dos grandes potenciais do Nordeste para os próximos 15 anos.

O Nordeste nos últimos dois anos se transformou na nova fronteira da energia limpa no Brasil. O foco das ações empresariais e governamentais estão em duas matrizes de energia, o sol e o vento, abundantes na região durante todo o ano.

Em agosto, época dos ventos na região, a produção de energia eólica entra na potência máxima e ajuda em um momento onde o sistema energético brasileiro está sobrecarregado devido a maior incidência de pessoas em casa, por conta do Covid19. No Brasil, de acordo com a Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica) a capacidade instalada no país chegou a marca de 16 GW no primeiro semestre de 2020. São 637 parques eólicos e 7.738 aerogeradores trabalhando com a energia dos ventos, a maior parte instalada no Nordeste.
Segundo dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico, a geração eólica no Nordeste bateu recorde, foram 8.780MW médios – energia suficiente para abastecer o equivalente a 99,7% da região. A energia eólica é hoje 9,1% da energia produzida no Brasil.
Neste início de mês de agosto, foram registrados recordes de geração de energia diários. No dia 2 de agosto, com 8.780 megawatts, no dia 5, com 8.854 megawatts, e no dia 6, com 9.049 megawatts média. Oitos estados do Brasil produzem energia eólica, cinco estão no Nordeste, conforme aponta a ONS.

O estado da Bahia é um dos destaques no setor de energia limpa no Nordeste.

De acordo com dados do Informes de Energias Renováveis da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE) há atualmente na Bahia 54 parques eólicos em construção e outros 70 prestes a ser construídos. A previsão é que injetem R$ 13,2 bilhões em investimentos no estado e gerem 53,2 mil empregos diretos e indiretos.
Já no setor solar fotovoltaico, 44 parques estão prestes a começar a construção, com investimentos previstos na ordem de R$ 6 bilhões, e possível abertura de 21,2 mil postos de trabalho na fase de construção dessas usinas. Com os novos parques, a Bahia pode alcançar 1,6 GW de potência instalada em energia solar até 2024, e 7 GW de potência instalada, em eólica, até 2025.
O mercado é tão promissor que mesmo durante a Pandemia, o setor teve diversos investimentos de grupos nacionais e multinacionais que tem ligação com o setor, ou que buscam rentabilizar no segmento ou estabelecer uma nova matriz de energia para suas plantas industriais.
Neste quesito, Governos Estaduais e Prefeituras já veem incentivando o setor, seja com política fiscal para implementação de parques de energias ou para mudanças na matriz de consumo de grandes indústrias.

A matriz energética está mudando no mundo todo, e no Brasil, o Nordeste vai sair na frente.

FONTE: REDAÇÃO AGENCIA NE9

Compartilhar:




Comentários:

Colunistas